IMG_20210923_155031_049 (1).jpg

eu sou uma longa história

com marcas de amor e pontos de ruptura

Eu sempre fui uma criança mágica. Gostava de arte, natureza, e era impetuosa. Carregava uma intensidade natural ao sentir, que foi exacerbada durante a adolescência. Fui o que chamam de "garota problema" e me enfiei em lugares muito escuros pra alguém de tão pouca idade. Conheci muito cedo as deturpações do corpo e da mente e por muito tempo sofri pela minha "infância perdida", sem entender o porquê de tudo aquilo. Hoje eu entendo. Conhecer o escuro foi um convite ao profundo. E venho me reinventando com a consciência de que por trás do escuro, existe a luz - ela, que só quer ser relembrada. Clara. Morei do outro lado do mundo pra me frustrar e chorar madrugadas deitada no chão do quarto sem entender da onde vinha tanta tanta dor. Voltei pro colo do meu país pra entender que eu precisava de propósito nesse sentir desordenado. Reconheci a magia da vida em iniciações e aberturas espirituais, em roda de ayahuasca, em terreiro de umbanda, em centro espírita e grupos de mulheres... do rapé ao reiki, do sangue menstrual ao estudo dos anjos, do umbral à Fonte, eu fui. Queimei as pontes das normas sociais e descobri que minha rebeldia adolescente era meu desejo profundo de amar numa sociedade louca. Fui mãe e descobri uma força inimaginável e que o escuro mais uma vez presente no puerpério foi meu lugar de transcendência. Terminei com quem eu achava ser o amor da minha vida pra descobrir que o amor da minha vida era eu. Reonheci meu espelho de alma que me forçou ainda mais profundamente às profundezas do Feminino - que se rende, que aceita, que se entrega, que transforma dor em prazer. Eu sou mulher, como todas as outras. Sou mulher que chora, que sangra, que pare, que da leite, que grita, rodopia no vento, sente tudo a flor da pele, goza dando risada e acredita no imortal. Sou filha do vento, amante da terra, sacerdotisa do fogo e sereia das águas. Sou tudo de mais banal, horrível e extraordinário que já aconteceu comigo e agradeço pelo meu dom do olhar afiado e sentimento difuso, que me permitem perceber o Céu em Todas As Coisas.